Viagem à Patagonia, Ilha de Magdalena, saindo de Ushuaia

Autor:
Wander Oliveira Campos

Viagem para Patagônia de Ushuaia, Argentina

Conheça a Ilha Magdalena: duas horas de livre convívio com centenas de pinguins. É necesario respeitar as áreas delimitadas e resistir à tentação de alimentar os animais. Emocionados, os turistas interrompem a caminhada para dar passagem àquelas pequenas criaturas, de andar desengonçado, que atravessam à sua frente, despreocupadamente, para o mar. Nessa ilha, no sul do Chile, são os pinguins de Magalhães que dão as ordens e têm a preferência no inusitado cruzamento.

Pinguins na Ilha de Magdalena, Ushuaia, ArgentinaOs 170 mil pinguins se encontram na ilha, todos os anos, para se reproduzir. Esse raro momento em que os seres humanos deixam de ser os donos da situação faz parte da expedição marítima à Patagônia feita a bordo diversas embarcações na região, em setembro, com roteiros distintos que partem de Ushuaia, na Argentina, ou Punta Arenas, no Chile.



O começo da viagem: saindo de Usuhuaia Ilha de Magdalena, Ushuaia, Argentina

A viagem começa três dias antes com um passeio em Ushuaia, a pequena capital da Terra do Fogo, no fim do mundo, como é conhecida, com uma série de atrações inesquecíveis. O navios passam entre fiordes e geleiras eternas; visitam o mítico Cabo Horn, onde os oceanos Atlântico e Pacífico se encontram, e proporcionam um belo passeio na lendária Baía Wulaia, lugar onde Charles Darwin teve contato com aborígenes yámanas, no século XIX, e que ainda permanece repleto de sítios arqueológicos. Muitas outras emoções estam reservadas após uma breve parada em Punta Arenas, às margens do Estreito de Magalhães, no Chile.

Um Emocionante Passeio de BarcoGlacial Marinelli, Ushuaia, Argentina

No primeiro dia o navio ancora na Baía Ainsworth, em frente ao exuberante Glacial Marinelli, onde impressiona os urros que ecoam à distância. De longe os enormes elefantes-marinhos parecem ser mais algumas das rochas que compõem a paisagem. Mas, ao se aproximar a bordo dos botes ao campo de gelo da Cordilheira Darwin, todos percebem que é possível observar bem de perto, por alguns momentos, aqueles preguiçosos animais de até quatro toneladas que descansam despreocupadamente.


Conhecendo a Patagônia de pertoFlora da Patagônia, Ushuaia

Os guias ensinam tudo sobre a rica flora da Patagônia, durante um passeio pelos bosques subantárticos da região. Mas o que atrai mesmo são os milhares de pinguins em plena fase de reprodução, os elefantes-marinhos, os golfinhos que se exibem ao lado do navio em diversos trechos da viagem, e, com sorte, até as baleias que, vez ou outra, aparecem para um show particular, sem falar no voo elegante de albatrozes e cormorões.

Espetáculo dos GlaciaresGlaciares da Patagônia, Argentina

Se o encontro com os animais enche o navio de exclamações, a sensação é a mesma ao ver de muito perto os glaciais - que produzem estrondos permanentes, com o desprendimento de grandes blocos de gelo. Na viagem, entre Ushuaia e Punta Arenas, os turistas podem descer aos botes e navegar pelo belo Fiorde Alacalufe até chegar ao Glacial Piloto, famoso por sua coloração azul-piscina. Os guias explicam que a cor indica a idade do glacial. Ouve-se um estrondo e parte do gelo despenca no mar, em um espetáculo eufórico.


Canal Beagle, Navegando Pela Teoria da EvoluçãoCanal Beagle, Navegando pela Teoria da Evolução

Entre Punta Arenas e Ushuaia, passam por glaciais ainda mais bonitos. Aproveite a oportunidade de tirar fotos únicas quando o barco entra na Avenida das Geleiras, no Canal de Beagle, outro ponto de parada de Darwin, autor da teoria da evolução das espécies, em expedição pela América do Sul. A cada dez minutos um novo glacial esparrama-se no mar em cores e tamanhos distintos.

Uma Caminhada Pelos Magníficos Glaciares
Magniíficos Glaciares em Ushuaia, ArgentinaNo Glacial Pía os turistas têm a tão aguardada oportunidade de descer dos botes e caminhar entre os blocos de gelo que se desprendem a todo instante. Os botes deixam os grupos numa encosta rochosa, que precisa ser escalada para se ter uma visão panorâmica do glacial. O esforço compensa. É um dos momentos mais românticos da expedição ao fim do mundo: de frente para a montanha de gelo, casais namoram nas pedras assistindo a espetaculares desmoronamentos.



Este é um espetáculo da natureza que deve conhecer, pois com o passar dos anos as geleiras diminuem reduzindo assim o tempo para admirar um espetáculo estrondoso no silencio dos glaciais seculares.